quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

É fantástico o poder do pensamento

A Teresa, uma das nossas Psicologas indicou este filme na reunião presencial.
É fantástico o poder do pensamento.




domingo, 21 de fevereiro de 2010

Linhaça combate o efeito sanfona

Linhaça combate o efeito sanfona
Fibra promove a saciedade e ajuda a reduzir a ingestão de alimentos. Repórter testou a dieta e perdeu 3,2 quilos em um mês.

"Ultimamente só estou usando camisa de bolinha", conta o músico João Baumman, apontando para a própria barriga.

"Eu perdi todas as minhas roupas, porque engordei bastante este ano. Eu alargo e depois tenho que diminuir de novo", conta a aposentada Maria Lourdes Rosignoli.

Você já ouviu essa conversa antes? Não é só o pessoal da música que está habituado a pequenos consertos. A obesidade já é um problema de saúde pública.

"Nós comemos antes, durante e depois do show", revela a musicista Regina Sbrighi Pimentel.

Comida é sinônimo de festa: macarronada, doces, churrasco com os amigos. Nesse ritmo, nosso corpo muda de forma. É o efeito sanfona. Há quem pense que essa é uma preocupação só das mulheres. Errado. Os homens também sofrem. Afinal, a maioria dos brasileiros está com excesso de peso. Não adianta esconder.

"Eu engordava e emagrecia. Engordava e emagrecia", lembra a dona de casa Ivani Benedetti de Oliveira.

Por detrás da sanfona, sempre existe uma história de vai e vem na balança.

"O efeito sanfona é observado quando a pessoa realiza dietas da moda. São dietas muito restritivas, que promovem uma perda de peso rápida. Mas a manutenção desse peso adquirido não ocorre", diz a professora de nutrição Glorimar Rosa, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A comerciante Áurea Barcellos conta os tipos de dieta que já fez: "Eu passava o dia todo tomando abacaxi. Já fiz a dieta dos pontos e a dieta da sopa. Também tem outra dieta da sopa: deu sopa, come tudo".

Contra os males do excesso de peso, mulheres unidas. De um lado, aquelas que estão cansadas do engorda e emagrece. Do outro, as nutricionistas da UFRJ. Juntas, estão testando os efeitos da linhaça no combate à obesidade.

"Cada participante da pesquisa recebe um plano alimentar individualizado, que ela deve seguir durante três meses. Fazemos consultas quinzenais, quando elas recebem os suplementos alimentares", explica Glorimar Rosa.

É neste momento que entra a linhaça. São três tipos. "A linhaça dourada apresenta uma maior quantidade de ômega-3 e ômega-6 em comparação com a linhaça marrom integral e a linhaça marrom desengordurada. Ela tem mais gorduras poliinsaturadas, que são benéficas, protetoras do nosso coração", esclarece Glorimar Rosa.

Parte desse grupo recebe óleo de peixe misturado com doce de morango sem açúcar, que também é rico em ômega-3 e 6.

"São três colheres medidas todos os dias, no café da manhã. Vocês podem passar na torrada ou no biscoito", orienta a professora de nutrição Sofia Kimi Uehara, da UFRJ.

"Com geleia de morango enriquecida com óleo de peixe, vemos exclusivamente o efeito do óleo de peixe nos fatores de risco cardiovasculares", diz Glorimar Rosa.

Todos os meses, elas repetem vários exames: colesterol, quantidade de açúcar no sangue, peso, medidas. Em três meses, a costureira Elenice Amorim passou do manequim 48 para o 42 em três meses.

Quem diria que o primeiro efeito para a ex-passista Eliane dos Santos Silva, de 43 anos, seria um novo ritmo de vida? "Eu perdi dez quilos em três meses", conta.

"Aos 35 anos, eu estava bem mais velha do que com 40. Minha autoestima era baixíssima. Quando o filho começa chamar a mãe de gorda e você percebe que o olhar do marido não é o mesmo, você não consegue se ver no espelho", avalia a dona de casa Andréa Rodrigues de Menezes.

"Para mim, a linhaça foi o início de uma vida saudável", diz a enfermeira Fatima Camello.

Quem nunca começou uma dieta e desistiu logo depois? No corre-corre de todos os dias falta tempo para se preocupar com a alimentação e sobram tentações. As mulheres com quem nós conversamos já venceram esse desafio. Chegou a minha vez. Durante um mês, eu experimentei essa dieta. Primeiro, os exames. Uma bateria deles. Foram cinco coletas de sangue. Em seguida, comecei a dieta. E comecei comendo. A ideia foi usar a farinha de linhaça para espantar a fome.

"Ela é um dos alimentos mais ricos em fibras. Essa fibra promove a saciedade no café da manhã e ajuda a paciente que quer emagrecer a reduzir sua ingestão alimentar ao longo do dia", explica a nutricionista Wânia Lúcia Araújo Monteiro, da UFRJ.

"Você preenche o copo [de café] duas vezes. Pode misturar no iogurte, no leite ou em um suco de fruta", orienta a nutricionista Grazielle Huguenin.

Aí que está a grande dificuldade e o meu maior desafio: como seguir essa dieta em um ritmo de trabalho intenso, como é o ritmo de muita gente no dia a dia?

"Você poderia fazer um sanduíche com pão integral, substituindo o arroz, uma cenoura ralada, alface e peito de frango grelhado", diz Grazielle Huguenin.

Foi assim eu adotei a lancheira. Mas não é tão fácil. Recusar delícias como pizza é uma desfeita! No quinto dia da minha dieta, estávamos em um hotel em São Paulo. Eu não podia nem pensar em comer muitas coisas do café da manhã. Optei por um copo de leite desnatado, um pãozinho e queijo. Escolhi uma fatia bem gordinha para ficar feliz. Aonde eu ia levava um copinho com a medida de farinha de linhaça.

Mas e quem resiste a um pão quentinho? Do total de brasileiros, 66% confessam que ir à padaria é o melhor programa para as horas de lazer. Foi o que revelou uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica nas cinco regiões do país.

"Leva um amigo, toma um cafezinho, relaxa, conversa", diz o panificador Wagner Ferreira.

E para quem faz desse lazer um ganha-pão, é ainda mais difícil manter o peso.

"Eu tenho uns 106 quilos. Não resisto. Faço umas caminhadinhas: dou uma volta na padaria", brinca o gerente de padaria José Mazzeo.

Até dona Ivani, da orquestra de sanfonas, já teve uma queda irresistível pela padaria. Adivinhem onde foi o primeiro encontro com o comerciante Manuel de Oliveira?

"Ele trabalhava na padaria e sabia que eu gostava de sonho. Cada vez que meu pai ia lá comprar um doce, meu sonho ia em cima", lembra dona Ivani.

Recuse o primeiro prato quem nunca tentou agradar com comida. "Comida tem uma relação emocional muito importante. Aprendemos de pequenininho que é feio deixar comida no prato. Aprendemos que se comemora comendo. Aprendemos que quando estamos tristes comemos alguma coisa. Existem famílias que começam o domingo à mesa e fica até sete horas no mesmo ambiente", diz o médico-cirurgião Luiz Vicente Berti, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

O amor entre dona Ivani e seu Manuel é o mesmo dos tempos da padaria. "Eu estava bem magrinha, com 54 quilos. Ele me chamava de bacalhau, porque eu era muito magra", conta dona Ivani.

"Eu não lembro mais", disfarça seu Manuel.

Mas quem vê esse casal feliz nem imagina que, além da dificuldade em controlar o próprio peso, ainda é preciso enfrentar um grave transtorno alimentar dentro de casa. Com a filha, a veterinária Ana Paula de Oliveira, a questão do peso chegou ao extremo.

"Eu olhava para a comida e virava a cara e falava que não queria. Quanto mais magra eu ficava mais eu me via gorda. Eu me via gorda mesmo. Obesa mórbida. Quando descobriram que eu tinha anorexia, eu fui para o tratamento com 38 quilos", lembra Ana Paula, que está fazendo pós-graduação. "Eu estava precisando de alguma coisa para me distrair, com a qual eu me mantivesse ocupada. Então, dois gatinhos vieram e agora estou cuidando deles", conta.

Estudando e cuidando dos gatinhos, ela se fortalece dia após dia.

"Eu tenho a sorte de ter uma mãe que só faltou se algemar comigo para me vigiar", diz Ana Paula.

"Nós duas vamos ficar sempre juntas", diz dona Ivani.

Durante a reportagem, nós conhecemos muitas histórias de superação. Depois de um mês fazendo a dieta da linhaça, voltamos ao Laboratório de Nutrição para saber se realmente mudou alguma coisa na minha saúde. Os primeiros resultados mostraram taxas normais de glicose, triglicerídeos e colesterol. Mas o teste mais temido foi mesmo o da balança. Eu perdi 3,2 quilos em um mês.

"Graças à dieta e à linhaça. Sem sombra de dúvida, a redução na ingestão de calorias contribuiu de forma importante para a redução de medidas e no peso corporal. Mas a linhaça contribuiu de forma bastante importante no controle da compulsão alimentar, reduzindo a sensação de fome", explica Glorimar Rosa.

A vendedora autônoma Dionar Rodrigues da Silva começou a dieta junto comigo e gostou dos resultados. "Eu tinha cem centímetros de cintura e hoje estou com 89. Não é igual aos regimes malucos que eu comecei a fazer e davam resultado, mas era momentâneo. Em pouco tempo eu fiz a dieta e agora estou vendo o resultado. É um reloginho: todo dia tenho que tomar linhaça. É ótimo", diz. É um adeus ao efeito sanfona.

saiba mais
Veja como preparar o pão integral de trigo com linhaça
Consumo de linhaça deve estar associado à dieta saudável
--------------------------------------------------------------------------------

Fonte: Globo Reporter - GUACIRA MERLIN Rio de Janeiro e São Paulo

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

INICIATIVA

Este é um comercial indiano, bem interessante, ele não vende nenhum produto. Mostra a diferença que faz uma pessoa com iniciativa ... E iniciativa é tudo, sempre. Faça a sua parte, nós somos capazes de motivar muitos outros... E sem atitude a vida não é nada... Faça a diferença!!!

video

IPJ Leiria inaugura gabinete de apoio à sexualidade e nutrição

O Instituto Português da Juventude (IPJ) de Leiria tem um novo espaço de atendimento. Chama-se “Cuida-te” e reúne técnicos aptos a responder às dúvidas dos jovens sobre sexualidade, nutrição e consumos nocivos.
Além do gabinete que entrou hoje em funcionamento – e que preza um ambiente descontraído e informal, para que a vergonha fique do lado de fora da porta –, o projecto inclui a realização de teatros-debate e acções de formação nas escolas. Há ainda uma carrinha, que vai levar informação às escolas, festivais de verão e outros espaços frequentados por jovens.

O espaço de Leiria foi inaugurado pelo secretário de estado da Juventude e do Desporto, Laurentino Dias. Porém, a cidade não é a única a receber este gabinete: há mais 19 “Cuida-te” no país, apoiados por cinco carrinhas.

Fonte:Região de Leiria

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

9 dicas para reagir à ansiedade


Clique na fotografia e veja o video,
ou entre em http://www.youtube.com/watch?v=PQq5i-8Mpfg

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Importancia e vantagens da reeducação alimentar (mudanças nos hábitos) e exercícios NOS HÁBITOS ) E EXERCÍCIOS

Importancia e vantagens da reeducação alimentar (mudanças nos hábitos) e exercícios
Retarda o envelhecimento, melhora sua saúde , perde peso e não passa fome. Os alimentos indicados no site são energéticos , nutritivos e poderão ser consumidos à vontade , sem restrição de quantidades mas não abuse , todo excesso faz mal. Todos alimentos indicados possuem poucas calorias/ gorduras e os comendo moderadamente não engorda.

Importante: Alimentos muito calóricos é que engorda e calorias em excesso é que envelhece as pessoas, pense nisso na hora de se alimentar.

COMO SE MUDA OS HÁBITOS ALIMENTARES? É SIMPLES E FÁCIL.

Faça substituições dos alimentos perigosos para a saúde por outros benéficos e saudáveis.
Exemplos: substitua a carne vermelha pela carne branca (frango, peru etc.)
Substitua o açúcar refinado por frutas, adoçantes artificiais.
Substitua a manteiga pelo óleo de soja ou azeite de oliva.
Substitua doces, bombons por frutas.
Substitua massas por verduras e legumes,
Substitua refrigerantes, sucos artificiais por sucos naturais.
Substitua alimentos fritos pelos cozidos.
Substitua alimentos cozidos por crus quando possível.
Substitua o leite integral pelo desnatado.
Substitua a cerveja e bebidas alcoólicas pelo vinho.

Estes são apenas alguns exemplos de substituições dentre as muitas que podemos fazer para mudança de nossos hábitos alimentares, visando melhor saúde e maior qualidade de vida, sendo que o emagrecimento virá como conseqüência dessas mudanças (reedução alimentar).


TRUQUES PARA EMAGRECER SEM DIETA.


VERDE QUE TE QUERO.
Poucos vegetais superam 100 calorias por 100g. Eles possuem fibras com efeito saciante: um prato de vegetal a cada refeição ajuda a esquecer a sensação de fome.

TEMPERE A VIDA
O tempero pode aumentar consideravelmente as calorias. Duas colheres de sopa de maionese acrescentam quase 300 calorias ao seu prato. Uma colher de molho de tomate tem 100 calorias e a mostarda , 75 .Portanto muito cuidado com os temperos. Saiba escolher os menos calóricos.

UM TOQUE DE ERVAS.
As gorduras dão sabor aos alimentos, mas as ervas frescas podem substitui-las com pouquíssimas calorias, além de serem boas fontes de vitaminas e minerais.

MELHOR CRU.
A digestão de alimentos crus é mais difícil , o que causa a queima de mais calorias, além de ter um efeito saciante maior. Quando possível tome sucos naturais.

MUITA ÁGUA.
Beber água durante todo dia ajuda a diminuir a fome e a acabar com as tentações. É também muito importante para evitar a desidratação durante os exercícios, seu melhor aliado para emagrecer.

USE A MATEMÁTICA.
Se você gosta de cozinhar, terá mais facilidade para emagrecer, mas precisa ter cuidado para não fazer comida de sobra.Pode comer demais para não jogar fora.Procure ter em sua casa somente alimentos saudáveis e de baixas calorias. Envolva toda a família no cultivo dos bons hábitos alimentares, fica mais fácil manter uma alimentação saudável. quando todos estão comprometidos com o peso ideal..

EVITE FRITURAS.
Esqueça a frigideira da cozinha. Sempre há uma opção mais saborosa para cozinhar sem fritar os alimentos. As frituras multiplicam as calorias.Prefira sempre os alimentos cozidos.

ÓLEOS SAUDÁVEIS.
Você não deve deixar de ingerir óleo. O que devemos fazer é escolher bem. Prefira os de origem vegetal, pelo ordem: azeite de oliva, de canola, de gérmen de cereais e soja.

SIGA O DITADO: Café da manhã como rei, almoço como príncipe e janta como mendigo.
Quanto melhor se alimentar pelas manhãs , menos fome vai ter durante a tarde e evitará ir para a cama com estômago cheio, retardando a digestão e o metabolismo energético e que é pior engordando.

COMA COM AMIGOS/FAMILIA.
Enquanto se fala não se pode comer. A conversação torna a refeição mais lenta e evita que você coma impulsivamente e depressa os alimentos .

A SOBREMESA AJUDA A ENGORDAR..
Evite esse mau hábito. Após as refeições sua taxa de glicose estará alta e qualquer beliscão na sobremesa, irá virar gorduras, além do mais , doce não combina com salgado..

CEDA MODERADAMENTE ÀS TENTAÇÕES DE VEZ EM QUANDO.
Sorvetes, chocolate, queijos....Cada pessoa tem uma fraqueza. Não é conveniente eliminá-la para toda a vida. É melhor quem, uma vez por mês você se dê de presente uma guloseima e que compense as calorias ingeridas com exercícios no dia seguinte.Lembre-se temos que gastar todas as calorias ingeridas , caso contrário podemos engordar.

Não pare de se mexer. Queimar calorias é fácil na academia. Mas há pequenos costumes que ajudam a perder peso. Além da sua hora no exercício diário, suba e desça escadas, passeie com o seu cachorro, cuide do jardim e vá andando fazer compras .

O VALOR CALÓRICO DOS ALIMENTOS.
Conheça as calorias dos principais alimentos, principalmente aqueles do seu dia-a-dia, pois assim poderá fazer sempre a opção por aqueles menos calóricos. Faça sempre a troca dos mais pelos menos calóricos na hora de sua refeição. Este é o grande trunfo para mudar os hábitos alimentares e emagrecer de maneira natural e com saúde.( Você não deixa de comer, não passa fome, apenas substitui os alimentos calóricos que engordam e são ruins para a saúde , pelos menos calóricos.)

MUDANÇA DE MENTALIDADE.
Lembre-se de que o objetivo é estar magro a vida toda e você não pode fazer dieta indefinidamente. Eduque sua mente e mude seus hábitos para comer bem e, assim , não ganhará peso.

MODERAÇÃO:
Os extremos não são bons, a virtude está no meio, nem por excesso de comida nem por carência. Busque equilíbrio em seu prato para conseguir equilíbrio na balança.

SACIE A FOME COM FIBRAS
Á mesa, comece sempre sua refeição com um bela salada. Quanto mais fibra , melhor.

ADQUIRA BONS HÁBITOS.
Seja inteligente e coma com inteligência: evite a carne vermelha, coma carne branca, muita salada colorida, regada com bom azeite de oliva e uma taça de vinho para acompanhar.

VARIEDADE:
O metabolismo está designado a adquirir energia dos alimentos, mas se você ingerir sempre os mesmos , acabará engordando mesmo com uma salada de alface, por menos calorias que ela tenha. Compre alimentos da estação e enriqueça o seu cardápio.Você só terá a ganhar: saúde e mais anos em sua vida.

SAÚDE.
Esteja certo de que a alimentação indicada não irá prejudicar a sua saúde, ao contrário seu sistema imunológico ficará mais forte, evitando assim inúmeras doenças. Emagreça sem dieta e com saúde, essa é nossa missão e objetivo.

NÃO TENHA PRESSA, TENHA PACIÊNCIA E PERSISTÊNCIA..
Não se desespere ao pensar que é necessário um ano para perder 20 kg. O tempo em que você estiver emagrecendo vai lhe fazer bem e, com ele, terá a certeza de que os quilos perdidos não votarão mais. Um belo dia descobrirá sem perceber que atingiu o seu peso ideal e mudou seus hábitos alimentares .

UMA HORA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS.
Faça exercícios pelos menos três vezes por semana . É Imprescindível . É como uma religião, uma vez que começa, não pode abandoná-la. É para a vida toda. Quem fica parado é pedra , pense nisto. O exercício é a garantia do êxito e de seu caminho a um corpo harmonioso e definido.
Fonte: ..emagrecer sem dieta...

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Psicologia e Alimentação

A maneira como as pessoas pensam afeta o que elas sentem e o que elas fazem. Por exemplo, alguém com crenças autoderrotistas interpretará um grande número de situações como sinais de fracasso e atribuirá tal fracasso a sua incapacidade ou fraqueza. Não levará em conta outras possibilidades - de que a situação era inevitável ou de que existiam soluções viáveis.

"Eu não consigo" é um bom exemplo de como este tipo de pensamento gera rigidez de atitude: "de que adianta agir se já sei que não consigo"? A mesma pessoa pode criar para si situações muitos diferentes - de muito boas oportunidades a momentos muito ruins - dependendo de como pensa.

Se as pessoas aprenderem a pensar mais realisticamente, poderão se sentir melhor e alcançar mais facilmente suas metas. Temos muitos pensamentos sabotadores que nos 'prendem' em sentimentos de tristeza, ansiedade ou impotência e minam nosso autocontrole.



No caso de quem precisa perder peso, pensamentos sabotadores muito comuns são:

Não tem problema se eu comer isso, porque...

Comer isso não vai fazer diferença...

É muito injusto eu não poder comer o que quero, ter nascido assim...

Já que exagerei um pouco, não adianta continuar, vou comer o que eu quiser o resto do dia.

Não posso desperdiçar alimentos.

Não adianta fazer dieta, tenho tendência a engordar.

Minha amiga vai pensar que sou mal educada se não comer o bolo que ela fez.

Não suporto estar com fome, nem ver algo delicioso na minha frente sem comer.

Ou seja, temos prontinhos em nossas mentes justificativas e motivos muito fortes e convincentes para comer o que não se deve! Cabe a nós identificá-los e 'pagar com a mesma moeda': a cada pensamento sabotador identificado, temos que tirar da manga uma resposta mais funcional e adaptativa. E repeti-la a cada situação, com persistência, pensando sempre nos motivos que se tem para perder peso.

Somos nosso próprio diabinho e nosso próprio anjinho!

Fonte: Recebemos por email, e não sabemos a fonte.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Reeducação Alimentar - a melhor hora é agora!


Clique na fotografia e veja o video,
ou entre em http://www.youtube.com/watch?v=GTqSVVdMGbE

Chocoólicos não temem dor para conseguirem o que querem

Estudo publicado no «BMC Neuroscience»

Um estudo publicado no «BMC Neuroscience» mostrou que ratos com ânsia de comer chocolate conseguem tolerar choques eléctricos para se corrigirem ou até satisfazerem a sua necessidade.

Rossella Ventura, em conjunto com uma equipa do Santa Lucia Foundation, em Roma (Itália), estudou a relação existente entre o stresse e a necessidade compulsiva de procurar comida. “Usamos um novo modelo de análise de comportamentos compulsivos para testar se uma experiência stressante relacionada com comida pode ser substituída por uma resposta condicionada, para evitar um certo tipo de alimentos – neste caso, o chocolate".


Para a experiência, a investigadora treinou ratos bem alimentados e outros famintos para procurarem chocolate num compartimento, em vez de os dirigir para uma divisão vazia. O compartimento que albergava o chocolate estava 'minado' com um sistema de choques eléctricos.

Os animais bem alimentados evitaram a doce tentação; no entanto, os outros ainda famintos, antes de se poderem alimentar, no regresso, tiveram de resistir às consequências dolorosas, para poderem continuar à procura de chocolate. Segundo os investigadores, este é um índice de comportamento compulsivo e afirmam que corresponde à necessidade compulsiva, com consequências negativas em seres humanos.

Fonte: Ciencia Hoje

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Manual de diagnóstico será divulgado hoje

PSIQUIATRIA

Depois de anos de pesquisas, debates profissionais e manobras de grupos de interesse, a Associação Psiquiátrica Americana divulga hoje um rascunho do manual usado para diagnosticar problemas mentais em todo o mundo. O documento estará disponível no site www.dsm5.org até o dia 20 de abril para receber críticas e sugestões. Mas a versão final do manual só será publicada em 2013. O livro também é usado como referência para companhias de seguro ? para determinar a cobertura dos planos ?, além de escolas e tribunais. Transtornos como compulsão alimentar e por jogos foram incluídos na nova versão preliminar.NYT

Fonte: Estadão

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Exercício físico - Muito Bom


Clique na fotografia e veja o video,

Médicos debatem especificação de transtornos alimentares

UOL

O ano era 1988. Eu era estudante do penúltimo ano da escola e estava no exterior, viajando sem destino por todo o Oriente Médio e Europa. Minha mochila estava cheia de shorts e camisetas, roupas de banho e sarongues, meu walkman e fitas da banda Grateful Dead. Ah, sim, claro, também uma balança, enterrada lá no fundo, embaixo da camada de meias. Como eu tinha sido uma adolescente gordinha - passei seis verões em um acampamento para jovens acima do peso -, tinha pavor de engordar.

Infelizmente, nada me dava mais prazer do que comer, algo que eu não deixei de fazer. Para manter uma aparência de controle, eu dividia minha dieta em Dias de Comida e Dias Sem Comida: isto é, dias em que eu consumia grandes quantidades de alimentos e dias em que eu policiava minha ingestão de calorias com precisão militar. A rotina mantinha meu peso sob controle (mais ou menos). Não importava que aquilo fosse maluquice.

Ninguém do centro de saúde da escola sabia o que fazer comigo. Obviamente, eu não era anoréxica; na verdade, eu era levemente cheinha. Não tentava eliminar os alimentos depois de tê-los comido, então a bulimia estava fora de cogitação. Para minha tristeza, os conselheiros disseram que não podiam fazer nada por mim e me mandaram continuar minha vida.

Hoje, provavelmente eu me qualificaria para um diagnóstico de "transtorno alimentar não especificado", geralmente conhecido pelo seu acrônimo do inglês, EDNOS. Na edição atual da publicação Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, o termo abrange praticamente todos os tipos de problemas alimentares que não sejam anorexia ou bulimia.

Apesar do nome menos familiar, o EDNOS é diagnosticado com frequência maior que os dois outros transtornos - em 4% das mulheres americanas todos os anos, segundo a Associação Nacional de Transtornos Alimentares (a associação não possui estatísticas envolvendo homens). Os subconjuntos dos EDNOS incluem transtornos de compulsão alimentar, purgação, síndrome do comer noturno, mastigar e cuspir a comida, e até ser demasiado exigente com a comida.

No entanto, o diagnóstico deixa muitos clínicos perplexos, que o chamam de ambíguo, vago e difícil de lidar. Assim, a Associação Americana de Psiquiatria está fazendo uma revisão geral de sua definição de EDNOS para a próxima edição do manual de diagnóstico, conhecido como DSM-5, previsto para ser publicado em 2013.

"O consenso é de que o termo EDNOS é amplo demais, ou seja, ele pode ser usado mais frequentemente do que o desejável, já que o rótulo não transmite muita informação específica", afirmou Dr. B. Timothy Walsh, professor de psiquiatria de Columbia e presidente do grupo de trabalho de transtornos alimentares para o novo manual.

Walsh afirmou que o painel estava "considerando várias formas de reduzir a frequência com a qual essa ampla categoria é usada". Todavia, pelo menos por enquanto, o EDNOS continua sendo o transtorno alimentar mais comum dos Estados Unidos. Um estudo de setembro de 2009 publicado no The International Journal of Eating Disorders descobriu que o EDNOS era muitas vezes um meio do caminho entre um transtorno alimentar e a recuperação ou, de forma menos comum, da recuperação para um transtorno alimentar total.

Embora viajar com uma balança na mochila não seja um dos critérios, a preocupação com o peso e a comida é, assim como dietas crônicas severas, exagerar com frequência na alimentação, síndrome do comer noturno, transtorno da purgação e possivelmente a compulsão por exercícios. Se tudo isso soa um pouco vago - encontre uma única mulher que não esteja preocupada com seu peso ou corpo -, os psicólogos fazem uma distinção.

"A alimentação tem que estar perturbada de alguma forma, assim como o comportamento relacionado à alimentação", disse Ruth H. Striegel-Moore, professora de psicologia da Universidade Estadual de Montana. "Além disso, o problema tem de levar a algum tipo de impedimento. Por exemplo, algumas mulheres não frequentam festas porque se preocupam com o que vão comer".

"Se você está se restringindo tanto que isso afeta seu trabalho de forma negativa, você provavelmente se enquadra no EDNOS", afirmou.

Mesmo assim, muitos clínicos afirmam que o diagnóstico simplesmente é vago demais.

"Uma das dificuldades do EDNOS é que existe muita diversidade dentro da mesma categoria", explicou Craig Johnson, diretor do programa de transtornos de alimentação da Laureate Psychiatric Clinic and Hospital, na cidade de Tulsa, Oklahoma. "Pelo fato de haver diferentes apresentações com as quais nem todos os clínicos estão familiarizados, há o risco de que as pessoas que possuem transtornos alimentares e poderiam se beneficiar de tratamentos clínicos não saibam que têm um problema".

De fato, uma razão pela qual o painel de especialistas quer mudar as diretrizes é para ajudar os pacientes com problemas de alimentação a reconhecê-los, mesmo se não apresentarem nenhum dos sintomas tradicionais.

Kris Shock, por exemplo, usava laxantes e restringia seu consumo de alimentos por anos, mas nunca vomitava nem tinha compulsão alimentar, e seu peso estava no padrão. Ela só consultou um psiquiatra para o que ela e seu marido chamavam de "problema de alimentação" quando completou 31 anos, quando ficou viciada na pílula de emagrecer ephedra, como contou em recente entrevista.

Agora com 37 anos e diretora de um centro de assistência a crianças em Atlanta, Shock disse que, quando ela finalmente recebeu o diagnóstico de EDNOS, pensou: "Ah, estou doente o suficiente para receber ajuda e passar pela experiência de recuperação".

A maioria dos planos de saúde não cobre EDNOS (Shock refinanciou sua casa para pagar sua permanência de uma semana e meia num centro residencial de tratamento). Mesmo assim, pessoas com EDNOS possuem alto risco de desenvolver vários dos problemas que afligem anoréxicos ou bulímicos, incluindo osteoporose, ataque cardíaco, desequilíbrio hormonal e até a morte.

Com isso em mente, muitos médicos camuflam o diagnóstico apenas para que os pacientes possam receber cobertura do seguro. Uma pessoa que mastiga e cospe pode ser classificada como bulímica, disse Striegel-Moore; uma pessoa quase anoréxica seria classificada como portadora do transtorno da farra alimentar.

Clínicos afirmam que pacientes como esses muitas vezes precisam sentir que possuem um transtorno alimentar "real". "Muitos pacientes sentem esse estigma se sabem que receberam o diagnóstico de EDNOS: 'Obviamente, não sou bom o suficiente para ser anoréxico'", disse Nicole Hawkins, diretora de serviços clínicos do Center for Change, um centro de tratamento contra transtornos alimentares em Orem, Utah. "Tive muitas pacientes que sentiam que precisavam perder mais peso, para que não menstruassem e pudessem mudar o diagnóstico. As pacientes realmente sentem que têm de 'aperfeiçoar' o transtorno alimentar para merecer tratamento".

Era assim que Stacey Taylor se sentia. Com 26 anos e professora do jardim da infância em Alexandria, Louisiana, ela contou que começou a fazer dieta aos 7 anos; aos 16, ela perdeu 31kg, e dali até os 25 anos ela vomitava e abusava de remédios para emagrecer, diuréticos e laxantes. Embora ela vomitasse de 3 a 11 vezes por dia, ela nunca foi classificada como bulímica porque não tinha compulsão alimentar, e seu peso nunca foi baixo o suficiente para ser considerada anoréxica.

"Os médicos olhavam para mim e diziam: 'Você não parece ter um transtorno alimentar - vá para casa e coma algo'", lembra-se, acrescentando que nem ela achava estar "doente o suficiente" para precisar de ajuda.

Alguns médicos afirmam que as exigências de peso deveriam ser eliminadas para todos os transtornos alimentares no novo manual de diagnóstico. Deb Burgard, especialista nesse tipo de transtorno em Los Altos, Califórnia, observa que as pessoas de qualquer peso ou massa corpórea podem fazer farras alimentares, regime ou colocar comida para fora de forma excessiva.

"Trabalhei com muitos pacientes com peso dentro do padrão e até gordinhos que realmente deveriam receber o diagnóstico de anorexia nervosa", disse Burgard, fundadora do Health at Every Size, uma abordagem que foca na saúde, em vez do peso. "Mas há uma confusão baseada no manual de diagnóstico atual envolvendo os critérios para o diagnóstico se o paciente não tem um IMC baixo - mesmo se o peso atual dele for extremamente baixo em relação a ele próprio e apresentar sinais de inanição".

Talvez a parte mais difícil de tratar o EDNOS é que a alimentação "normal" é um conceito bastante vago. A magreza tende a ser ideal, não importa como se atinge esse objetivo.

"O que o EDNOS realmente demonstra", disse Johnson, de Tulsa, "é que não temos diagnóstico empiricamente derivado na psiquiatria. Veja o caso da depressão. Em que momento ela deve ser considerada uma condição que precisa de tratamento? Quando se fala em hábitos alimentares, torna-se extraordinariamente complicado, pois todo mundo tem uma relação diferente com a comida, e geralmente ela é um pouco complicada".

Tradução: Gabriela d'Avila
Fonte: Gazeta