quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Queima-gorduras (Dieta)

Queima-gorduras (Dieta)


Elimine massa gorda, adoptando uma dieta hipocalórica, praticando exercício e ingerindo as substâncias certas

Sabia que existem substâncias que «queimam» a gordura e que, na maioria das vezes, são derivadas de plantas?

Estas substâncias interferem com o processo de digestão e potenciam a sensação de saciedade.

Para além disso, trabalham ao nível dos rins, facilitando a eliminação de líquidos, e potenciam os processos do metabolismo ao nível da tiróide ou da síntese de glicose. São, por isso, muito úteis para quem quer perder peso enquanto complemento de uma dieta hipocalórica (baixa em calorias).

Algumas dessas substâncias «queima-gorduras» estão presentes naturalmente nas alcachofras, no ananás ou na papaia, por exemplo, sendo incluídas, por isso, em muitos suplementos coadjuvantes do emagrecimento. Estes devem, contudo, ser tomados com precaução.

A dietista Marisa Costa explica porquê: «Estes produtos funcionam como um acelerador do metabolismo, potenciando o trabalho natural do organismo. O problema surge quando se deixa de tomá-los e deixa de haver ajuda. Por norma, o metabolismo torna-se mais lento e deixa de perder peso, podendo mesmo voltar a recuperá-lo, principalmente se não adquirir bons hábitos alimentares.»

Efeito saciante e depurativo

Existem também outros alimentos a que se atribui o eventual efeito «queima-gordura». Isto porque a sua digestão queima mais calorias do que as que fornecem ao organismo quando ingeridos. São, maioritariamente, frutas e verduras. Têm pouca gordura e são ricos em antioxidantes e fibra.

É o caso, por exemplo, do alho-francês, dos espargos, da toranja, do melão e da melancia. É importante referir também as propriedades da camelina (planta de camomila), da laranja amarga e de algas como a espirulina ou o fucus vesiculosus.

A lista pode ainda estender-se a várias plantas como a garcinia cambogia, o guaraná, a ortosifão ou a rainha dos prados, conhecidas por ajudarem a adelgaçar, por serem ricas em substâncias saciantes e depurativas.

L-carnitina e ácido linoleico


Uma das principais substâncias «queima-gorduras» é a L-carnitina que parece potenciar um maior recrutamento das células gordas enquanto fonte de energia.

Estimula a perda de gordura e reduz a fadiga muscular e o tempo de recuperação depois de fazer exercício físico.

É obtida através de alguns produtos de origem animal, sobretudo carne.

Já o ácido linoleico conjugado (CLA) abunda também em produtos de origem animal e, em menor quantidade, em alguns óleo de sementes ou de cereais (milho, soja e girassol).

Segundo alguns estudos, esta substância reduz a massa gorda e o perímetro abdominal sem baixar o peso total. Contudo, o seu uso prolongado pode causar alterações no sistema hepático (fígado), pelo que deve ser feito sob acompanhamento de um especialista.

Apoios naturais

Magnésio: O seu papel é importante na conversão da glicose (açúcar) em fonte de energia. A sua falta pode potenciar problemas de prisão de ventre, ansiedade e apetite compulsivo. As amêndoas, o arroz integral e os vegetais de folha verde são boas fontes de magnésio.

Chitosan: É um composto que está presente no plâncton e nas «cascas» dos crustáceos e do marisco. Capta as gorduras presentes nos alimentos para que o organismo não as assimile e as elimine através das fezes.

Sementes de guaraná: Têm um conhecido efeito «queima-gordura» por serem ricas em cafeína, o que aumenta o metabolismo basal e, por isso, o gasto energético do organismo.
Uma dieta deficiente (lanches muito calóricos, grandes períodos de jejum e consequentes refeições abundantes), a par da falta de exercício físico e do sedentarismo propiciam uma maior acumulação de gordura.


Obterá resultados duradouros se:

- Não saltar refeições

- Beber, no mínimo, dois litros de água por dia

- Usar adoçante em vez de açúcar

- Fizer exercício físico de forma regular

Bons hábitos para não engordar

- Faça uma alimentação equilibrada rica em legumes e verduras, (devem ocupar metade do prato do almoço e jantar).

- Ingira cerca de 3 peças de frutas por dia.

- Inicie a refeição do almoço e jantar com sopa de legumes (com pouca ou sem batata).

- Não esqueça o consumo de leguminosas, cereais, peixe e, em menor quantidade, carne e, de forma residual, gorduras.

- Limite o consumo de bebidas com açúcar e/ou gás.

- Mantenha um estilo de vida activo, praticando exercício físico de forma regular, dando maior importância a exercícios que trabalham o sistema cardiovascular (corrida ou caminhada enérgica, por exemplo).

Texto: Ana Catarina Alberto com Marisa Costa (dietista do Hospitald e São João no Porto)
A responsabilidade editorial desta informação é da revista Prevenir