domingo, 24 de agosto de 2014





A PERTURBAÇÃO DE INGESTÃO COMPULSIVA –CARACTERIZAÇÃO

A Perturbação da Ingestão Compulsiva é caracterizada por ingestão compulsiva ou ingestão de uma quantidade excessiva de comida acompanhada pela sensação de incapacidade de parar ou de falta de controlo. Os episódios ocorrem pelo menos uma vez por semana num período mínimo de 3 meses.
Os episódios de ingestão compulsiva surgem muitas vezes como forma de lidar com certos sentimentos desagradáveis, aliviando-os temporariamente, contudo, a longo prazo, os pacientes, após os episódios de ingestão compulsiva, experienciam sentimentos de culpa, vergonha, tristeza e preocupação com os efeitos da ingestão sobre o peso e imagem corporal. Esses sentimentos muitas vezes conduzirão novamente a episódios de ingestão compulsiva, criando-se assim um ciclo vicioso.
Ao contrário do que acontece na bulimia nervosa, não ocorrem comportamentos purgativos ou compensatórios o que pode levar a que os pacientes apresentem excesso de peso.



SINTOMAS

Os sintomas por vezes são ocultados ou difíceis de apreender pelos outros. Alguns deles são:
-Grande preocupação relativa aos episódios de ingestão compulsiva;
- Comer grande quantidade de comida quando não se tem fome;
-Incapacidade para parar de comer ou controlar o que se come: comer até se sentir desconfortavelmente cheio ou continuar a comer mesmo quando cheio;
-Comer mais rapidamente do que o normal;
-Comer às escondidas;
- Experienciar sentimentos de tristeza, culpa e vergonha após o episódio de ingestão compulsiva;
- Experienciar estados emocionais desagradáveis (tristeza, solidão, stress, ansiedade, medo) que só são aliviados com a ingestão de comida;
-Nunca se sentir saciado;
- Isolamento;
-Sintomas depressivos.



CAUSAS

Existe um conjunto de factores que podem influenciar o desenvolvimento deste distúrbio, são eles:
·         Biológicos: deficiências orgânicas tais como irregularidades hormonais ou mutações genéticas.
·         Psicológicas. sintomas depressivos; insatisfação com a imagem corporal; baixa auto-estima; dificuldade em expressar e lidar com sentimentos.
·         Ambientais: eventos desencadeadores de stress emocional (abuso físico/ sexual, perdas, mudanças, conflitos interpessoais); pressão social para determinados ideias de beleza.



CONSEQUÊNCIAS

As consequências da perturbação da ingestão compulsiva são de dimensão física, social e emocional, destacando-se:
·         Diabetes tipo II
·         Hipertensão
·         Nível de colesterol alto
·         Insónia e apneia do sono
·         Perturbações gastrointestinais
·         Dores musculares ou das articulações
·         Alterações de humor: depressão, ansiedade


TRATAMENTO

O tratamento da perturbação da ingestão alimentar compulsiva exige a articulação entre diferentes profissionais (médico de clínica geral, psiquiatra, nutricionista, psicólogo, enfermeiro, endocrinologia). É possível destacar três tipos principais de acompanhamento:

Acompanhamento médico- Identificação e tratamento dos impactos na saúde do paciente derivados dos comportamentos problemáticos e a recuperação de um peso adequado. Em alguns casos poder ser necessária a prescrição de psicofámacos.
Acompanhamento psicoterapêutico- Visa a extinção dos episódios de ingestão compulsiva, a melhoria da auto-estima e imagem corporal e a abordagem das alterações emocionais subjacentes aos sintomas (e.g. depressão, ansiedade).
Acompanhamento nutricional- Tem como objectivo o desenvolvimento de uma relação mais saudável com a comida pela aquisição de hábitos alimentares equilibrados que visem o preenchimento das necessidades nutricionais e não das necessidades emocionais.



Os vários aspectos relativos à Perturbação de Ingestão Alimentar Compulsiva aqui abordados, serão desenvolvidos nas próximas postagens.


[Pintura: Nganda MokeWalter Swennen, 2007]